Informação Legal: Intermediação de Crédito

Tem vários créditos? Tome medidas antes que seja tarde!

Picture of Sandra Pereira

Sandra Pereira

Sumário

A inflação crescente

Nos últimos anos a inflação em Portugal e na maioria das economias desenvolvidas tem sido relativamente baixa. Isto significa que os preços dos bens e serviços não tem sofrido alterações drásticas de ano para ano. Infelizmente fruto da pandemia e, mais recentemente, da guerra, esta situação está a mudar. Nos EUA a inflação já atingiu os 8,5% constituindo o valor mais alto dos últimos 41 anos.

Na Europa a inflação não chegou a valores tão elevados, mas ainda assim em Portugal a inflação já se situa nos 5,3%.

Na verdade, basta ir ao supermercado, a um posto de combustível ou analisar atentamente uma outra despesa doméstica para perceber que estamos perante uma subida generalizada de preços.

O sufoco do orçamento familiar

Apesar do custo de vida em Portugal estar a sofrer um aumento expressivo, os rendimentos das famílias não estão a acompanhar esta subida. Isso faz com que o dinheiro disponível ao final do mês, depois de pagar todas as despesas, seja cada vez menos. Muitas famílias que já antes estavam numa situação de aperto financeiro podem, facilmente, ver-se mesmo numa situação em que os rendimentos não são suficientes para fazer face às despesas do dia a dia.

Também para as famílias que ainda não estejam numa situação limite se torna importante começar a pensar em tomar medidas. Prevê-se que a inflação continue em níveis elevados nos próximos anos e os bancos centrais tenderão a subir as taxas de juro de referência, o que originará uma subida nas prestações dos créditos.

Assim, infelizmente, o sufoco do orçamento familiar vai ser uma realidade para grande parte das famílias portuguesas agora ou num futuro próximo. Assume assim uma extrema importância planificar e adotar medidas antecipadamente!

Consolidar os créditos para reduzir encargos

Uma das maiores fatias em termos de despesas de grande parte das famílias são os encargos com créditos. Nestes incluem-se créditos à habitação, créditos automóvel, créditos pessoais, entre outros. De acordo com recomendações da Deco, estes encargos não devem ser superiores a 35% dos seus rendimentos líquidos. Assim se atualmente as suas despesas com créditos já vão muito além deste valor, deverá ponderar tomar medidas antes que seja tarde demais.

Uma das melhores formas de conseguir reduzir estes encargos é através de uma consolidação de créditos. Esta operação consiste em juntar vários créditos em apenas um, o que permite ficar a pagar menos do que a soma dos encargos que possuía anteriormente. Mesmo que os seus encargos com créditos não sejam elevados, esta operação pode permitir-lhe ganhar uma folga para fazer face ao aumento generalizado de preços que se vive.

Conclusão

A pandemia e a guerra têm vindo a criar novos desafios que podem abalar as suas finanças familiares. O aumento generalizado do custo de vida, não acompanhado por um aumento proporcional dos rendimentos poderá vir a criar situações de aperto financeiro. Torna-se assim importante tomar medidas antecipadamente, nomeadamente procurar folgas adicionais no orçamento familiar que possam ajudar a comportar este aumento generalizado de preços. O crédito consolidado pode ser uma das soluções a adotar. Simule já online quanto pode começar a poupar!